terça-feira, 28 de agosto de 2007

Ab imo corde

(Andréa Motta)


Está escrito numa folha de avenca,
Minh'alma tem cheiro, sabor e cor
                               de esterco !

Fertilizo o chão escarlate
                         e florescem
jasmins bondade sabiás
acácias saudade rouxinóis
alecrim felicidade curiós

Urubus
Despejam fel
         ab hoc et ab hac!
até sobrevir a seca,
         Ab initio
           Absinto

Onde foi parar a emoção
            de tomar uma criança
                                 pela mão
e ensina-la a sentir o canto do mar?

Tudo o que se vê
são sombras bordejantes
deambulando pelas letras
sem ar
sem par
sem lar
Azimute!

Onde estás,
oh... lume das paixões
                   onde estás,
sob escombros intelectuais?


~> blogs da autora :

jardim de poesia
bordando essências


Um comentário:

Andréa Motta disse...

Val querida,
Obrigada pela ivulgação do meu textinho!
grande beijo,
Andrá